Skip to content

Home Folclore
Folclore

     Por que Joanópolis recebe esta alcunha? Existe lobisomens em Joanópolis? Por que tanta ênfase em torno de uma figura mitológica? Estas perguntas são formuladas por muitas pessoas ao depararem-se com adesivos, camisetas, bonés e propagandas sobre Joanópolis.

     Pequena cidade interiorana, como muitas, com o mesmo tipo de formação étnica, numa miscigenação portuguesa, indígena, negra e mais tarde de outros europeus, não poderia deixar de possuir um rico folclore, com inúmeras lendas e assombrações.

     Porém, nesse universo folclórico, composto por mulas-sem-cabeças, boitatás, mães do ouro, iaras, curupiras, destaca-se a figura do Lobisomem.O impressionante é que, em Joanópolis, as histórias de lobisomens sempre superaram em muito outros personagens. Tais histórias eram as prediletas contadas junto ao fogão-a-lenha em dias chuvosos, no balcão daquela “vendinha” de sitio e até mesmo nos velórios Sempre se falou e se fala muito desse personagem, que possui seus ritos, metamorfoses e maldições.
     No ano de 1983, a folclorista Maria do Rosário de Souza Tavares de Lima, descendente de nossa cidade e membro da Escola do Folclore de São Paulo resolveu pesquisar, catalogar e transformar em livro o lobisomem de nossa região com o titulo de: “Lobisomem: assombração e realidade”. O livro caiu como uma bomba sobre Joanópolis e em algumas centrais de jornalismo, foi um comentário geral, entre muita discussão e controvérsias, o lobisomem renascia, não mais nas encruzilhadas, mas sim na discussão do dia-a-dia daquele ano. Em abril de 1984, o jornal O Estado de São Paulo, publica um artigo onde afirma que Joanópolis poderia ser considerada A CAPITAL DO LOBISOMEM. Ainda vieram para cá a Rede Globo com o programa Fantástico e a Rede Record.

    O Lobisomem marketing parece ser cíclico, pois em 1998 ele voltou à tona com força total através do comercial sobre folclore do grupo MacDonald´s, no qual figuraram pessoas de nossa cidade. Surge com um grupo de amigos a LOBOMANIA, confeccionando camisetas, adesivos (patrocinados por diversos comerciantes) e produzindo noites do Lobisomem no club local, criando uma associação, conhecida como A.C.L. – Associação dos Criadores de Lobisomens. O Piracaia Jornal e a Radio Cultural FM (105,9) abriram um espaço especial para o Lobisomem. A escola de informática InforSchool e outros aderiram à CAPITAL DO LOBISOMEM. O artesão Marcos Bueno iniciou a confecção dos LOBISOMENS DA SORTE, os quais são um sucesso comprovado.
     Nossa proposta não é mostrar um lobisomem mau, mas sim uma figura simpática, que por séculos incorpora diversos elementos culturais, trazendo em seu bojo muita informação sobre o passado. O seu lado fera, agora passa a ser incorporado nos esportes radicais, na preservação da natureza e na divulgação de nossas tradições. Quando você adquirir ou se defrontar com um dos nossos Lobisomens, pense que ele é um elemento cultural, uma síntese de nossos costumes, a metamorfose do homem, que nunca é estático, aquele que é livre como o lobo, que se um dia tiver sua liberdade ameaçada vira fera!

 
Top